Ativistas salvam cerca de mil animais do Festival de Carne de Cachorro, na China



Ativistas chineses salvaram cerca de mil cães e gatos do Festival de Carne de Cachorro, que ocorre na cidade de Yulin, na China. Apesar dos apelos e da controvérsia, o evento voltou a ser realizado neste ano.

Festival de Carne de Cachorro é um evento tradicional organizado anualmente na China onde são sacrificados milhões de cães e gatos. Apesar dos rumores de proibição da festividade, o governo local informou as associações ativistas que o consumo de carne de cão era legal no país e, por isso, a realização do evento era mantida.

Esse foi o maior resgate até agora feito de um caminhão de cães e gatos, na China.  Aplaudimos o trabalho corajoso dos homens e mulheres ao salvarem a vida desses animais aterrorizados que se dirigiam para um massacre brutal”, afirma o especialista de políticas chinesas e membro da Humane Society International (HSI), Peter Li.

De acordo com a HSI, os cães e gatos foram resgatados de um veículo interceptado em Guangzhou, no sul da China. Os animais eram transportados em pequenas jaulas, sendo que alguns deles já tinham morrido asfixiados quando os cerca de 100 ativistas chegaram. Os relatórios feitos pela organização afirmam que o motorista não possuía os certificados de saúde que os regulamentos de transporte animal chineses exigem. A HSI relata também que muitos apresentavam comportamentos de animais de companhia, o que sugere que possam ter sido roubados ou recolhidos da rua.

Segundo Li, esse resgate ganhou mais significado pela participação de vários jovens da localidade de Guangzhou – conhecida como a capital mundial do consumo de carne de cão e de gato -, pois demonstra esperança numa nova China. “Esses novos ativistas são a esperança de uma nova China, livre da crueldade inerente ao comércio da carne de cão.”

Matt Damon e Pamela Anderson foram duas das várias celebridades que se juntaram ao movimento para banir a festividade, em 2016. Cerca de 11 milhões de assinaturas foram recolhidas para abolir o festival, que está frequentemente envolvido em polêmica e criticismo. Por ano, são mortos cerca de 20 milhões de cães e quatro milhões de gatos, segundo a HSI.

Como começou

A primeira edição do Festival de Carne de Cachorro teve início em 2009 para marcar o solstício de verão, estendendo-se por 10 dias. Comer carne de cão é uma tradição chinesa e, de acordo com os dizeres populares, traz sorte e saúde. Alguns acreditam que o consumo pode evitar doenças e aumentar a performance sexual masculina.

Apesar de o evento ser relativamente recente, a tradição tem, pelo menos, 400 anos. A China não possui uma lei de proteção animal, mas especialistas consideram o festival ilegal sob os regulamentos aprovados pelo Ministério da Agricultura em 2013, que requerem quarentena para animais antes do transporte. Porém essa prática é “rara de ver”, de acordo com An Xiang, advogada de direitos dos animais em Pequim. As condições precárias de transporte dos animais também são apontadas como uma ameaça à saúde pública.

Fonte: Observador

Foto: AFP


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

1. O Festival de Yulin deste ano começou em 21 de junho de 2017 e vai até 30 de junho. The Animal Hope & Wellness Foundation, a ONG que está resgatando e recuperando esses animais, está postando em sua página do Facebook atualizações sobre a luta contra essa barbaridade desde antes do início do evento. Confira aqui.

2. Enquanto isso, em Bali, na Indonésia, a ONG Animals Australia revelava que turistas consomem carne de cachorro sem saber na paradisíaca ilha. Mais uma vez, enorme indignação nas redes sociais. E, mais uma vez, perguntamos: e os bois e vacas, galinhas e frangos, porcos, peixes, carneiros etc., que são igualmente torturados até a morte todos os dias – bilhões ao ano? 

Sabemos que a grande maioria que se horroriza com o que acontece em Yulin compactua diariamente com a tortura e assassinato de animais tão sencientes quanto cães e gatos, que sentem amor, alegria, medo e dor como todos nós, humanos. Pessoas que se revoltam com as imagens de sofrimento de cães e gatos, mas que todos os dias comem o produto do sofrimento de tantos outros animais; que frequentam zoológicos, circos com animais, aquários, shows de golfinhos, rodeios e vaquejadas, selfies com tigres, passeios sobre elefantes e camelos, rinhas de galo, entre tantas outras formas de exploração animal. 

Por que essa compaixão e indignação seletivas? Todas essas vidas são igualmente preciosas. Todos os animais merecem viver com dignidade e em liberdade, sem dor e sofrimento. Não coloque-os em seu prato. Não visite “atrações” em que eles sejam usados, pois são todos vítimas de maus-tratos. Não compre cães e gatos, pois mães e filhotes também são maltratados – em vez de comprar, adote. Não compre animais silvestres, pois eles não são animais de estimação e vêm de tráfico, também sofrendo dor em horríveis situações que levam a maioria à morte. Se você REALMENTE gosta de animais, pode fazer sua parte para ajudá-los com essas mudanças de atitude. 

A parte de deixar de comer animais pode parecer difícil, mas não é. Falamos mais a respeito na quarta nota desta postagem. E recomendamos também o filme Terráqueos, com narração de Joachin Phoenix e trilha sonora de Moby. Veja e faça a conexão. Aqui você pode vê-lo na íntegra e legendado em português.

3. Leia também: 



4. Animais não são alimento, nenhum deles. Eles não são comida nem escravos dos humanos. Sentem como todos nós e por isso merecem a vida e a liberdade. A alimentação vegetariana estrita, sem carne de qualquer tipo ou derivados (laticínios, ovos, mel), já está provada como sendo a mais saudável para os humanos. Quem opta pelo veganismo (que engloba não somente a dieta vegetariana estrita, como também o não uso de roupas e acessórios de couro, lã, pele e seda, assim como o boicote a "atrações" que exploram os animais, como zoológicos, circos e aquários, e a empresas que fazem testes em animais) está fazendo um bem pelos animais e para sua própria saúde e vida. E não é difícil nem caro. Quer uma ajuda para começar a parar de comer carne? O primeiro passo é a informação. Aprenda com quem já vive esse estilo de vida: pergunte, pesquise. Use as redes sociais para expandir seu conhecimento sobre vários assuntos, inclusive esse, que é vital para você e um imensurável número de vidas inocentes. Há diversos grupos sobre o tema no Facebook. Listamos abaixo alguns deles:

Troll Ajuda disponibiliza um tópico fixo com uma lista de produtos (não só para alimentação) livres de crueldade animal e oferece sempre diversas dicas para iniciantes e "veteranos";

Veganismo é um dos maiores grupos sobre o tema no Facebook, com quase 50 mil membros sempre compartilhando experiências e tirando dúvidas;

Veganismo Popular desmitifica a ideia de que veganismo é caro. É perfeitamente viável seguir uma alimentação diária sem crueldade animal e sem maltratar o bolso;

Musculação Vegana é voltado para os praticantes de atividades físicas. Nele, você pode ver como é preconceituosa e errada a ideia que algumas pessoas tentam propagar, de que vegetarianos estritos são fracos fisicamente (muito pelo contrário, são mais fortes e saudáveis). O grupo oferece diversas dicas de alimentação e suplementação vegana.

Existem ainda sites e blogues com deliciosas receitas veganas, simples e baratas de fazer. Estes são alguns: 




Viewganas (canal do YouTube especializado em versões veganas de receitas tradicionais com carne) 

Já a Revista dos Vegetarianos é uma publicação mensal (impressa e on-line) com excelente conteúdo que vai bem além de receitas, focando a saúde como um todo. 

Mapa Vegano lista diversos estabelecimentos em todo o Brasil, abrangendo produtos e serviços de alimentos e bebidas, higiene e beleza, roupas e acessórios, ONGs e outros. 

E para dar uma força aos iniciantes, o Mercy for Animals Brasil disponibiliza um Guia Vegetariano gratuito em seu site. Nele, você encontra diversas informações que podem norteá-lo no começo de uma nova vida. O Desafio 21 Dias Sem Carne também pode ser uma boa forma de você começar - e descobrir que consegue abolir definitivamente os animais do seu cardápio.

Mas já saiba desde o começo que abraçar o veganismo é uma mudança e tanto, que fará um imenso bem para você, para os animais e para o planeta.

ONG revela que turistas estão comendo carne de cachorro sem saber, em Bali


Uma investigação feita pelo grupo ativista australiano Animals Australia revelou, na última segunda-feira (19/6/2017), que turistas em Bali, Indonésia, estão comendo carne de cachorro mortos por espancamento e envenenamento sem saber o que estão consumindo.

Segundo a investigação, cachorros de rua e de estimação estão sendo capturados e mortos por estrangulamento, espancamento e envenenamento. A carne, preparada em péssimas condições, é destinada para restaurantes e vendedores de rua, que a comercializam para turistas desavisados.

"Não só o sofrimento dos cães é horrível, os turistas estão inadvertidamente alimentando esse comércio. A maioria dos turistas não faz ideia de que as letras RW em barracas de comida de rua significam que carne de cachorro está sendo servida. Para piorar, vendedores de rua estão dispostos a mentir sobre a origem da carne para garantir a venda", diz a diretora de investigações da Animals Australia, Lyn White.

O relatório divulgado pela Animals Australia diz ainda que os animais estão sendo brutalmente capturados por gangues de carne de cachorro com fios enrolados em postes. Os cães são levados dentro de sacos para áreas de abate.

Os vendedores foram filmados pendurando os animais pelo pescoço para que eles morram lentamente por falta de ar e empurrando veneno pela boca de cachorros grandes e filhotes. O fim do abate é feito no chão, em condições insalubres.

"As imagens registradas pelos nossos investigadores dos cachorros sendo capturados e abatidos são profundamente perturbadoras. O sofrimento desses cães é de partir o coração", diz Lyn.

De acordo com a investigação, há indícios de que veneno está sendo usado para matar cachorros que serão vendidos para pessoas. Também foram encontradas bactérias presentes em fezes nas amostras analisadas pela Animals Australia, o que pode causar grave intoxicação alimentar.

Veja aqui o vídeo.

Fonte: Extra

Foto: Animals Australia / Reprodução YouTube


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

1. Assine aqui a petição criada pela Animals Australia pressionando o governo de Bali a banir o comércio de carne de cachorro e criminalizar a crueldade contra todos os animais.

2. Você se indignou com esta notícia? Então por que ainda come bois, galinhas, porcos, peixes e outros animais? Eles são tão sensíveis e sentem tanta dor e medo quanto os cachorros. Porcos, inclusive, são ainda mais inteligentes e afetuosos que os cães. Leia também: Qual a diferença?

3. Animais não são alimento, nenhum deles. Eles não são comida nem escravos dos humanos. Sentem como todos nós e por isso merecem a vida e a liberdade. A alimentação vegetariana estrita, sem carne de qualquer tipo ou derivados (laticínios, ovos, mel), já está provada como sendo a mais saudável para os humanos. Quem opta pelo veganismo (que engloba não somente a dieta vegetariana estrita, como também o não uso de roupas e acessórios de couro, lã, pele e seda, assim como o boicote a "atrações" que exploram os animais, como zoológicos, circos e aquários, e a empresas que fazem testes em animais) está fazendo um bem pelos animais e para sua própria saúde e vida. E não é difícil nem caro. Quer uma ajuda para começar a parar de comer carne? O primeiro passo é a informação. Aprenda com quem já vive esse estilo de vida: pergunte, pesquise. Use as redes sociais para expandir seu conhecimento sobre vários assuntos, inclusive esse, que é vital para você e um imensurável número de vidas inocentes. Há diversos grupos sobre o tema no Facebook. Listamos abaixo alguns deles:

Troll Ajuda disponibiliza um tópico fixo com uma lista de produtos (não só para alimentação) livres de crueldade animal e oferece sempre diversas dicas para iniciantes e "veteranos";

Veganismo é um dos maiores grupos sobre o tema no Facebook, com quase 50 mil membros sempre compartilhando experiências e tirando dúvidas;

Veganismo Popular desmitifica a ideia de que veganismo é caro. É perfeitamente viável seguir uma alimentação diária sem crueldade animal e sem maltratar o bolso;

Musculação Vegana é voltado para os praticantes de atividades físicas. Nele, você pode ver como é preconceituosa e errada a ideia que algumas pessoas tentam propagar, de que vegetarianos estritos são fracos fisicamente (muito pelo contrário, são mais fortes e saudáveis). O grupo oferece diversas dicas de alimentação e suplementação vegana.

Existem ainda sites e blogues com deliciosas receitas veganas, simples e baratas de fazer. Estes são alguns: 




Viewganas (canal do YouTube especializado em versões veganas de receitas tradicionais com carne) 

Já a Revista dos Vegetarianos é uma publicação mensal (impressa e on-line) com excelente conteúdo que vai bem além de receitas, focando a saúde como um todo. 

Mapa Vegano lista diversos estabelecimentos em todo o Brasil, abrangendo produtos e serviços de alimentos e bebidas, higiene e beleza, roupas e acessórios, ONGs e outros. 

E para dar uma força aos iniciantes, o Mercy for Animals Brasil disponibiliza um Guia Vegetariano gratuito em seu site. Nele, você encontra diversas informações que podem norteá-lo no começo de uma nova vida. O Desafio 21 Dias Sem Carne também pode ser uma boa forma de você começar - e descobrir que consegue abolir definitivamente os animais do seu cardápio.

Mas já saiba desde o começo que abraçar o veganismo é uma mudança e tanto, que fará um imenso bem para você, para os animais e para o planeta.

Fazendeiro desiste da pecuária por não querer mais sofrimento e doa animais para santuário


Um caso curioso aconteceu recentemente em Ashbourne, que fica no condado de Derbyshire, na Inglaterra. Um pecuarista desistiu de criar animais para abate e produção de leite após se tornar vegetariano.

Jay Wilde, esse homem da foto, tem 59 anos e vem de uma família de pecuaristas. Ele cresceu na fazenda de seu pai explorando bois e vacas para carne e leite. Há 25 anos, porém, Wilde começou a se envolver com o vegetarianismo e parou de comer carne. Mesmo assim, continuou trabalhando na fazenda.

Em 2011, com a morte de seu pai, Wilde se tornou responsável pelo negócio da família e resolveu mudar o foco da propriedade para a produção de carne orgânica, com foco no bem-estar dos animais. Apesar da pequena mudança, ainda era óbvio o contrassenso.

Recentemente, Wilde decidiu que não queria mais conviver com a dor de criar os animais para depois mandá-los para o matadouro. Mesmo as vacas criadas para a produção de leite, como se sabe, são enviadas para o matadouro após alguns anos de exploração. E mesmo animais criados de forma orgânica e respeitando normas de bem-estar são mortos no fim*.

Em uma atitude corajosa e nada comercial, Wilde decidiu enviar a maior parte do rebanho para um santuário. Apenas algumas vacas ficaram na fazenda como animais de estimação, aquelas com quem ele tem mais proximidade. Todos os outros 63 animais foram enviados para o Hillside Animal Sanctuary, onde viverão em paz até o fim natural de suas vidas.

Algumas vacas estão esperando bebês, como é comum e necessário na indústria do leite. Mas essas mães poderão ter seus filhos em um santuário e nunca serão separadas deles.

Um dos motivos que levaram Wilde a tomar essa decisão drástica e bonita foi presenciar durante anos o sofrimento das vacas ao serem separadas de suas crias. Mães e bebês choram durante dias, gritando uns pelos outros, e isso acontece em fazendas de todo o mundo, inclusive do Brasil.

O caso de Jay Wilde lembra o do apresentador Ratinho, do SBT. Embora não tenha se tornado vegetariano, Ratinho desistiu da pecuária justamente por presenciar o sofrimento das vacas separadas de seus bebês em suas fazendas de produção de leite.

Muito mais tocado pela questão animal, o fazendeiro inglês se prepara agora para abrir uma loja de suplementos e equipamentos para jardinagem. E já deixou claro que tudo por lá será vegano - nada de esterco ou fertilizantes de origem animal à venda.

Fonte: Vista-se

Foto: Reprodução


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

*1. "Bem-estar animal", assim como "abate humanitário", é uma falácia usada pela indústria da carne. Leia aqui sobre um exemplo disso, dos ovos vindos de galinhas criadas "livres de gaiola".

Fotógrafo capta imagens impressionantes de animais selvagens em cidades



Britânico residente na cidade de Bristol, na Inglaterra, Sam Hobson é um fotógrafo especialista em animais selvagens. Até aqui, nenhuma novidade, a não ser o fato de esses animais estarem em grandes cidades*.

Confira algumas de suas fotos.




























Fotos: Sam Hobson


*NOTA DA NATUREZA EM FORMA:

O Olhar Animal, que também replicou esta postagem, fez a seguinte nota: "Diante da invasão de seus habitats, tem sido cada vez mais comum a presença de animais em áreas urbanas, inclusive no Brasil. Aulas de educação ambiental deveriam preparar as pessoas para uma convivência harmoniosa com os animais nesses ambientes".

E nós, da Natureza em Forma, destacamos que nossa ONG foi criada justamente com esse propósito: equilibrar e ajudar os animais que vivem nessa zona de conflito entre áreas urbanas e selvagens - local onde os animais domésticos invadem os espaços selvagens e os animais silvestres invadem áreas urbanas -, trazendo conforto e respeito a esses animais.

Cachorro com náusea: mal-estar ou sintoma alarmante?


Quando o cachorro vomita, muitas vezes, os tutores não sabem como agir. Além de ser um mecanismo de defesa do organismo, o vômito é importante para avaliar a saúde do animal. De acordo com a veterinária Ingrid Stein, ao observar as causas, é possível saber se será necessário levá-lo a uma consulta médica.

Ela explica quais são os principais fatores que levam o animal a ter essa reação, dá dicas de como lidar com a situação e ressalta a importância de ter muita atenção com o cachorro. “Mesmo sendo difícil ver o cãozinho nesse estado, é fundamental compreender o que o leva a vomitar, antes de tomar qualquer atitude”, afirma.

Segundo a especialista, as principais causas de náuseas nos cães são: comer algo que o estômago não aceitou, correr ou brincar após a refeição, ficar muito tempo sem se alimentar (vômito amarelado), mudança de dieta/ração ou de ambiente. Entretanto, se for um fato recorrente ou muito estranho, é preciso descartar doenças e intoxicação.

Por isso, alerta Ingrid, é preciso ficar de olho se o cão vomita repetitivamente por algum motivo aparentemente inofensivo, como comer rápido demais. Essa dica é importante, pois o próprio ato de vomitar pode estimular mais o vômito, já que o estômago fica irritado. Sendo assim, ele talvez não consiga sair desse ciclo vicioso e precise ser medicado.

A veterinária alerta que o tutor do animal deve manter a calma e observar o estado do cachorro após ele passar mal. “Se o vômito persistir ou vier acompanhado de outro sintoma como diarreia, desânimo, febre, sangue no vômito ou nas fezes, tosse ou ele simplesmente não aceitar água ou comida depois de horas, leve-o ao veterinário”, finaliza.

O que pode ser?

> O cachorro pode ter comido algo, como grama, e o estômago não aceitou bem;

> Exercícios como corrida e brincadeiras logo após a refeição podem atrapalhar a digestão;

> Muito tempo sem se alimentar (vômito amarelado);

> Mudança de ambiente ou de dieta também propiciam a indisposição;

> Diversas doenças, como as infecciosas, intoxicação, verminose, desordens digestivas, neurológicas e metabólicas possuem o vômito como sintoma.

Fonte: A Crítica

Imagem: Reprodução


NOTAS DA NATUREZA EM FORMA:

1. Lembramos que este texto é apenas um auxílio para o tutor ficar alerta diante de algumas situações. Ao notar algo de errado com o animal, você deve levá-lo ao veterinário, que é quem definirá o diagnóstico e tratamento adequado. 

2. Leia também: